Namorada falta

Acho que vou até pedir demissão

2020.10.29 04:23 DrSlashDoyle Acho que vou até pedir demissão

Salve! Consegui um trabalho novo em março desse ano e lá conheci uma garota que fiquei interessado, mas depois acabei descobrindo que namora outra garota. Logo pensei, sem chance. Fomos criando intimidade e um dia perguntei sobre sua opção sexual, n explicou mto bem, mas deu pra entender que mulheres tem a preferência. Acho que o pai da filha dela ajudou nisso, ele foi tão fdp com ela que ela meio que criou asco de homem. O tempo vem passando e vi que ela meio que já não tá tão interessada no relacionamento atual, dizia até que sentia falta de caras. Me bateu uma esperança, mas eu n seria talarico, esperaria ela terminar com a atual. Até que certo dia ela me fala de um cara da facul que deu em cima dela. Com certeza ela deu um fora nele, pensei, mas eis que ela começou a falar dele, dava risada, ficava toda boba, e esse interesse veio crescendo, ao ponto de hoje o cara vir no trabalho e eles ficarem de papo. Pronto, foi a gota que arrebentou a represa, falou do cara o dia todo e só comigo. E o engraçado é que ela fica trocando de opnião sobre ele td hora (ex: disse que achou escroto ele comentar com ela das minas gostosas que via passando, minutos dps achou essa atitude fofa). E sobre a atual dela? Disse que vai terminar, sem mais nem menos, e olha que a namorada dela tem um baita apreço por ela, a ponto de mandar cesta de café da manhã pro trabalho. Em suma, virei confidente de uma mina mto incerta sobre as coisas e que eu tento esquecer que já gostei um dia, mas ter que ficar escutando ela falar de outro cara toda hora n ajuda. Perco até a concetração no trabalho.
submitted by DrSlashDoyle to desabafos [link] [comments]


2020.10.28 04:25 willfe92 Namoro e Paranoias

No inicio da pandemia, eu e minha família estávamos com muito medo e começamos o isolamento do dia pra noite. Eu tinha uma vida agitada com minha namorada, mas com o medo, acabou que eu impus uma restrição de se ver e no fim não conversamos como seria ou sei lá - so aconteceu e não nos vimos por vários meses.
Aconteceu que a pandemia durou muito mais que o esperado e acabamos nos distanciando, inclusive no whatsapp, muito por falta de novidade do dia dia, dos planos pro final de semana, etc
(durante a pandemia minha vida parou, não estudava, não lia, não fazia nada - apenas trabalha e jogava no computador, fiquei viciado no jogo - tanto que quando a vida voltou ao 'normal, usava a pandemia de desculpa pra pode jogar) .
Há umas 3 semanas voltamos a nos ver, ela veio conversar comigo e falou que, como estávamos nos distanciando, ela já estava preparada caso eu terminasse o namoro e tal.
Na mesma conversa, ela falou que me sentia triste e com zero vontade de tudo, o que era real.. estava so vivendo. Ela falou que eu precisava fazer algo, voltar ao normal, falou sobre trabalho (não curto o meu e quero mudar, porém estou um pouco acomodado), que precisamos focar no nosso futuro.
Eu não sei o que houve, mas esse papo entrou na minha cabeça de tal maneira que não sei explicar.
So sei que apenas penso que preciso fazer algo, estudar, arrumar um novo emprego, etc por que senão ela vai terminar comigo. Na minha cabeça, ela não terminou comigo ainda por que estava próximo do meu aniversário.
Apenas sei que a todo momento eu acho que ela quer terminar comigo. que ela não gosta mais de mim ou sl. Estou tento crises de choro no meio do dia, eu não sei o que fazer.
Parece que estou tendo crises de ansiedade, quero um emprego novo pra ontem, quero ter papo no WhatsApp com ela todo momento, etc.
Não sei se ter uma conversa com ela é boa ideia! Como falaria isso? "estou com medo de você terminar comigo": "você ainda gosta de mim."
PS.: procurei um psicólogo, mas as sessões estão marcadas pra semana que vem.
Estou tendo dificuldade de dormir, de comer, etc... Preciso de algum conselho ou sei lá.
Se precisar de mais detalhes, só comentar
submitted by willfe92 to relacionamentos [link] [comments]


2020.10.28 04:00 willfe92 NAMORO E PARANOIAS

No inicio da pandemia, eu e minha família estávamos com muito medo e começamos o isolamento do dia pra noite. Eu tinha uma vida agitada com minha namorada, mas com o medo, acabou que eu impus uma restrição de se ver e no fim não conversamos como seria ou sei lá - so aconteceu e não nos vimos por vários meses.
Aconteceu que a pandemia durou muito mais que o esperado e acabamos nos distanciando, inclusive no whatsapp, muito por falta de novidade do dia dia, dos planos pro final de semana, etc
(durante a pandemia minha vida parou, não estudava, não lia, não fazia nada - apenas trabalha e jogava no computador, fiquei viciado no jogo - tanto que quando a vida voltou ao 'normal, usava a pandemia de desculpa pra pode jogar) .
Há umas 3 semanas voltamos a nos ver, ela veio conversar comigo e falou que, como estávamos nos distanciando, ela já estava preparada caso eu terminasse o namoro e tal.
Na mesma conversa, ela falou que me sentia triste e com zero vontade de tudo, o que era real.. estava so vivendo. Ela falou que eu precisava fazer algo, voltar ao normal, falou sobre trabalho (não curto o meu e quero mudar, porém estou um pouco acomodado), que precisamos focar no nosso futuro.
Eu não sei o que houve, mas esse papo entrou na minha cabeça de tal maneira que não sei explicar.
So sei que apenas penso que preciso fazer algo, estudar, arrumar um novo emprego, etc por que senão ela vai terminar comigo. Na minha cabeça, ela não terminou comigo ainda por que estava próximo do meu aniversário.
Apenas sei que a todo momento eu acho que ela quer terminar comigo. que ela não gosta mais de mim ou sl. Estou tento crises de choro no meio do dia, eu não sei o que fazer.
Parece que estou tendo crises de ansiedade, quero um emprego novo pra ontem, quero ter papo no WhatsApp com ela todo momento, etc.
Não sei se ter uma conversa com ela é boa ideia! Como falaria isso? "estou com medo de você terminar comigo": "você ainda gosta de mim?"
PS.: procurei um psicólogo, mas as sessões estão marcadas pra semana que vem.
Estou tendo dificuldade de dormir, de comer, etc... Preciso de algum conselho ou sei lá.
Se precisar de mais detalhes, só comentar
submitted by willfe92 to desabafos [link] [comments]


2020.10.27 01:03 jogarfora1991 Eu sempre fui muito certinho

Eu (H 29) sempre fui um cara muito certinho. Não flertava com as mulheres porque era muito tímido. Comecei a namorar tarde, com 23 anos, e dei meu primeiro beijo nessa idade. Com a minha namorada eu sempre tive muito medo de ter filhos e sempre fomos precavidos com relação a isso. Sempre tive o ideal de ter melhores condições financeiras antes de ter um filho. Hoje eu estou chegando perto dos 30 anos, e continuo sem filhos, e nunca estive com outra mulher além da minha primeira e única namorada. Eu começo a pensar sobre estar ficando velho. Hoje muitas mulheres flertam comigo e eu não vou adiante por estar comprometido. Eu gosto da minha namorada, e acho que ficaria absolutamente só se nós terminarmos o relacionamento, pois não tenho muitos amigos e sei que, embora muitas mulheres flertem comigo, na maioria das vezes eu não iria desenvolver uma relação mais profunda com elas mesmo se eu estivesse disponível. Eu sinto que não vivi o que a maioria dos homens viveram, eu sinto falta do jogo de sedução, mas eu gosto da minha namorada e não sei se conseguiria continuar sem ela. Eu sinto que essa vida de solteiro pegador é absolutamente vazia, mas eu também me sinto vazio por não ter tido estas experiências. Complicado, né? Eu inverti a lógica das coisas, pois deveria ter tido essas experiências até encontrar alguém que combinasse comigo, e então ir para o felizes para sempre, depois de passar por muitas decepções. Eu pulei para o final e agora fico eternamente pensando: e se?
Além disso hoje eu começo a repensar todo o meu planejamento com relação a filhos. Ainda acho que não tenho condições de tê-los, embora já seja formado e pós graduado, tenha minhas economias e meus planos traçados. Mas fico pensando se eu não seria mais feliz se tivesse deixado tanto planejamento de lado e engravidado a minha namorada lá atrás, sem profissão e sem dinheiro mesmo. Eu ia passar um sufoco danado, mas hoje eu teria um moleque ou uma garotinha com uns 6 anos de idade para me chamar de pai e a quem eu poderia dar muito amor e carinho (eu até chorei escrevendo isso).
É estranho, mas eu olho para os caras que tiveram filhos não planejados, fora de um casamento, e dão um duro danado para compensar esta "irresponsabilidade" e eu penso que talvez eu seria mais feliz se eu fosse um desses caras.
Talvez a vida devesse ser menos certinha, menos planejada, e mais vivida.
submitted by jogarfora1991 to desabafos [link] [comments]


2020.10.26 08:16 RabbitMore3683 Falta de interesse da namorada

Tenho sentido que ultimamente minha namorada nao tem mais interesse sexual em mim. Vou dar um exemplo. Hoje estavamos transando no sofa e pedi pra mudarmos de posição. Enquanto estavamos mudando, ela viu o celular dela no chão e lembrou que ele estava ficando sem bateria. Parou de transar e foi colocar o celular pra carregar, antes de continuarmos. Eu fiquei bastante chateado e demonstrei isso pra ela, dizendo que ela estava apenas de corpo presente fazendo sexo,mas com a cabeça em outras coisas. Ela disse que nao tinha nada a ver, que eu estava exagerando.
submitted by RabbitMore3683 to desabafos [link] [comments]


2020.10.26 02:52 gcfpluto como dizer pra amiga que não tenho interesse no relacionamento dela?

para desencargo de consciência, tecnicamente eu me importo porque é uma coisa que a afeta, e eu tenho um enorme carinho por ela.
já faz um tempo que essa amiga tem tido problemas no relacionamento e, por ser alguém em que ela confia, sempre desabafa comigo. no começo não liguei muito, porque um ouvido amigo e conselhos (se possível) são algumas das coisas que vêm com a amizade. mas de uns tempos pra cá é quase como se eu só existisse quando surge algum problema... raramente nossas conversas divergem do assunto que se tornou principal: a namorada dela; e quando falamos sobre qualquer outro assunto - até mesmo amenidades! - de alguma maneira a conversa se volta pra algum problema do relacionamento das duas. por causa disso acabo deixando de responder algumas mensagens e passamos dias e dias sem se falar. o silêncio geralmente é quebrado por ela... por causa de alguma coisa do relacionamento.
não vou negar, não gosto da namorada dela por razões específicas (que talvez se ela ler esse post vai me reconhecer), mas nunca cheguei a expressar esses meus descontentamentos com ela, pelo menos não explicitamente. às vezes sinto vontade de dizer que essa situação está me incomodando, que fico feliz em saber que ela vê em mim alguém que pode confiar pra compartilhar seus problemas, mas que não sei se tenho mais saco pra essa situação em específico. nossa última conversa (alguns dias atrás) começou com algo simples e de novo caiu no mesmo buraco, então não respondi mais porque eu realmente não sei mais o que responder. já disse todas as coisas ponderadas que poderia dizer, só falta falar pra terminar (o que seria cavalice de minha parte). por alguma razão tenho a sensação de que essa foi nossa última conversa...
submitted by gcfpluto to desabafos [link] [comments]


2020.10.24 04:43 desarte320 Tenho 24 anos e sinto mt falta de ter uma namorada

Então, tenho 24 anos e a realidade é que eu sou péssimo com mulher. Tipo, eu namorei no ensino médio, mas desde então só fiquei com algumas (poucas) pessoas e mesmos assim não cheguei nem a transar.
Me incomoda muito isso pq velhos vários amigos indo em dates ou namorando e eu mal consigo dar um match no Tinder. Obviamente a quarentena não te ajudado, tudo está bem mais difícil e agr a perspectiva de continuar sozinho aumentou mt.
Eu tenho alguns problemas de autoestima em razão da minha aparência. Sou baixinho, gordinho, mas de vdd não me acho feio. Pra ser bem honesto, eu acho meu rosto até bonito ho hahaha. O ponto real é que, msm sem a quarentena eu raramente fico com alguém, seja arranjando alguém virtualmente ou indo em festas.
Antes que perguntem, sim, eu adoro sair à noite, tenho mts amigos, vou à festas mas não consigo ficar com ngm. Eu admito que existe um misto entre eu ter medo de chegar em alguém, com o fato de eu ser ruim msm e tb de nao me acharem atraente. Honestamente, esse nem é o problema real, pois não sinto falta de sexo casual, sinto falta de ter alguém. Acabo me sentindo um pouco sozinho, e aturar essa quarentena sem ter perspectivas tá sendo foda.
Ironicamente, eu tenho uma carapaça bem cínica, cética e irônica, mas eu sou um cara bem romântico até. Eu me apaixono pelas meninas até hj, e nem é por questão de aparência, mas pela personalidade msm. Enfim, eu realmente tenho a impressão de que eu seria um bom namorado.
submitted by desarte320 to desabafos [link] [comments]


2020.10.24 01:57 ImmediateTrash4053 Vida depressiva

Tudo começou em 2015 com uma mentira espalhada pela minha ex e as amigas primeiro q eu era talarico e depois que eu era estuprador( mesmo sendo virgem eu era estuprador) tudo isso por causa do cara que queria fazer de tudo para que eu terminasse com ela pra ele pegar meu lugar... Infelizmente ela terminou comigo, mas as amigas e amigos dela nao desistiram, queriam fazer inferno e praticavam bullying como crianças com meus amigos, de caçoar a tentar empurrar de escadas. Eu tive depressão nessa época e não sabia, tudo era novo para mim, foi meu primeiro relacionamento de verdade e a primeira vez q fui chutado... Passaram se os anos e fui conhecendo outras pessoas, chego em 2017 e me deparo com uma menina que era perfeita aos meus olhos, ficamos até o início de 2020 juntos, terminamos por várias vezes e todas ela ficava com alguém, esse famoso tempo que se fala... No meio de 2018 eu perdi meu emprego e como morava com minha mãe eu ajudava na casa, ela cobrava dinheiro, fiquei desempregado e ela me expulsou! Com 600 reais, resto do acerto do último emprego eu aluguei uma mini kitnet, era um quarto com banheiro, e eu vivi sozinho lá, e minha namorada por ser mto oprimida em casa não saia para me ver mesmo eu sendo vizinho dela nesse momento, nessas idas e vindas passei por dias... Meses... Com fome, sede, melancólia... E tudo só ia piorando foram Natal, ano novo, festas que eu via da minha janela, sozinho com as luzes apagadas, todos vizinhos comemorando e eu sem ter nem o que comer no natal e ano novo... E sabe quando você acha que n tem como piorar? Mas piora... Arranjei um emprego ao mesmo tempo que entrei na faculdade, mas a mulher do RH me chamou pouco depois de 1 mês falando, Servente de pedreiro não tem que estudar, você escolhe um ou outro, pois eu tinha faltado um dia pra me inscrever no curso que tinha sede em outra cidade, mesmo com comprovantes que estava la me matriculando no curso que era EAD não teve jeito, ainda ouvi comentário dizendo, fulano estuda e n falta ( fulano estuda na mesma cidade pagando, eu passei por mérito no prouni em primeiro lugar no curso de Ciências Contábeis, mas era em outra cidade para me inscrever) Pois bem mudei de faculdade, fui para uma Federal, e acham que melhorou? Não... Não melhorou, eu estava ainda naquele lugar com cheiro de morte, e aonde tentei suicídio várias vezes, aonde dormi para não sofrer com a fome, e mesmo sem comer fiquei com 100 kg, por estar muito sedentário e comer raramente sem o metabolismo funcionar... Consegui que a faculdade me desse um lugar na casa sedida pelo governo, me mudei, fiz colegas, mas logo comecei a dividir quarto com um rapaz que fez todo inferno na minha vida neste início de quarentena, que achou que como não gostava de mim podia doar meu guarda roupa, meus tênis, tudo que tinha, pois não estava confortável comigo no quarto. Até hoje não resolvi isso, não consegui mudar de quarto nem de casa por falta de dinheiro. Começa a quarentena, meu pai pega Covid e morre. Meu pai que mesmo ficando brigado comigo as vezes era meu alicerce, minha força. Ele se foi, e eu percebi que realmente tudo está fadado ao pó, hoje me encontro sozinho novamente, sofrendo com a depressão e a solidão por não ter ninguém na minha vida. Ninguém pra me apoiar e nem pra conversar, coisa que sinto que preciso, tenho imensa dificuldade de conversar com as pessoas, estou com baixa auto estima por estar acima do peso, e já não sei mais o que fazer e pra onde seguir. Tudo sumiu novamente e eu estou cansado de começar do 0, sozinho, com dificuldades, com a dor, e todo resto. Cada um sente sua dor meus amigos, o que pode não ser tão pesado para você pode ser um fardo pesado para os outros. Eu perdi tudo na minha vida 3 vezes Além de coisas que não descrevi neste texto. Espero que todos tenham ótimos dias pela frente, o futuro não a nós pertence, nao podemos decidir o que acontecerá, mas tenho fé que tudo vai melhorar. Agradeço a quem ler, talvez entenda algo... Peço desculpas pelo textao Mas é isso!
submitted by ImmediateTrash4053 to desabafos [link] [comments]


2020.10.22 01:18 KrisiAX :)

Bom, vou resumir bastante e tou nem aí pra erros de português fodase, cresci em uma família que é basicamente ódio puro todo mundo se ódeia mais planta falsidade quando estão cara a cara, nasci já quase morrendo sem ar, meus pais divorciados e msm assim morando na msm casa, quando eles se afastaram msm não deixaram eu ficar com minha mãe, o motivo era q minha mãe ia muito pra festa até trazia caras com meu pai em casa, eu já morando com meu pai só vivia se mudando e quando ele arrumou alguém começou a resolver tudo, tudo msm com agressividade, eu tinha muita dificuldade em prestar atenção e em estudar, meu pai fazia eu sentar em uma mesa e ficar estudando o dia todo e ele saia pra trabalhar e a mulher dele tb, ficava sozinho o dia todo,só me divertia na escola por enquanto, quando meu pai chegava em casa ele me perguntava algo da matéria e eu não sabia responder pq qualquer coisa me chamava atenção e ele smp me batia quando não sabia responder, teve um dia em que eu não quis ir pra escola e não fui, passei a manhã todinha na rua pós só vivia dentro de casa e estava realmente curioso sobre lá fora e meu pai soube dessa falta, e quando cheguei em casa ele tbm tava la, falou q era pra eu ir lá pra trás, ele tinha pegado a coleira de ferro do cachorro e me bateu muito com ela essa surra é aqui mais me perturbou na minha vida,tinha ido pra escola no dia seguinte, ninguém perguntou se eu tava bem ow oq aconteceu, comecei a preferir ficar sozinho ai,a gente começou a morar na favela, onde a mulher dele morava,a mulher dele só vivia me colocando pra baixo pq tinha dificuldade em se concentrar nas coisas, quando o filho deles nasceu, aí foi quando as agressões aumentaram,a mulher só vivia dizendo que minha mãe não me queria e chamava ela de todos os palavrões possível, bem novinho comecei a ter raiva das pessoas, com 10 anos minha vó veio me tirar daquela situação e deu a minha mãe, minha mãe não era aquela pessoa que eles falava, era uma mulher boa que claro no passado tinha várias parada, ali pensei que ia ficar bem, mais com o tempo minha cabeça estava entrando em surto, entrei na minha primeira escola naquela moradia, eu era calado e muito tímido foi difícil arrumar colegas, mais arrumei 1, não 1 colega e ss amigo(é meu amigo até hj) mais tb arrumei mais uma merda na vida, com 13 anos arrumei uma mina (precoce) mais velha q eu, não sabia nem namorar direito, com 2 meses eu fui na casa da mina, a casa dela é logo de esquina e tem um campo na frente sem luz, quando estava chegando eu vi uma cara com ela, eles estavam se beijando e o cara tava com a mão dentro do short dela, eu nem fiz nd com a situação, eu só voltei pra casa coloquei um lençol tampado todo meu corpo e chorei pra krl calado pra ninguém ouvir, foi aí q meti na minha cabeça q não precisaria de ninguém, tinha uma pessoa na minha vida q tirava sorriso meu q era meu tio mais teve um dia na madrugada um cara veio em casa falando q ele tinha morrido com um tiro no peito, meu primeiro ataque de pânico minha mente parou, ficou com vários pensamentos e só oq vinha na minha cabeça era se matar, foi aí a minha primeira tentativa de suicido com uma corda mais ainda bem q eu tomei minha cabeça de volta e pude conter, comecei a usar maconha pois me ajudava muito com os pensamentos me fazia dormir bem mais tb veio a raiva explosiva e os problema com socialização paranóias e mais(não por causa da maconha),eu só fazia brigar e usar maconha,depois de um tempo comecei a cultivar dentro do meu quarto, smp preservei a privacidade e tinha muito ciúmes das minhas coisa, meu tio foi abrir meu quarto, e era o logo oq eu não gostava, abriu meu quarto e entrou nele, mais eu enguli essa situação, ele quis contar pra minha familia, mais aí eu já tava com mais nd no quarto tinha jogado tudo, e quando vieram tirar satisfação eu falei q era pra amostrar as provas, entraram no meu quarto e não viram nd começaram a ficar puto com meu tio, ele veio tirar satisfação cmg, eu fui na cozinha e peguei uma faca e fui em direção dele pra enfiar nele, mais tinha muita gente e eles me seguraram, horas depois meu tio voltou, com um 38 falando que ia atirar em mim, não tive preocupação nenhuma com aquilo não tive medo nd, eu pedi pra ele atirar várias e várias vezes, ele com um 38 enfurrajado, acabou não atirando não sei pq, minha mãe veio até mim dizendo que sabia q eu tinha plantado ela chorando dizendo "olha oq vc causou" eu tinha olhando pra ela e falei "tou nem aí", meu segundo surto foi nesse dia, perdi a cabeça e tentei meu segundo suicido e mais um sem sucesso, minha mãe tinha visto, tentou me colocar no psicólogo, mais como eu tinha na cabeça q não precisaria de ninguém se mantia no quarto,eu gostava muito de programação e hacking, eu lia bastante sobre, ficava admirado com as parada q via sobre eles, eu prefiria ta estudando programação do que estuda na escola, uma professora veio até mim no final da aula dizendo que notou que eu tenho problemas só vendo minhas atitudes dentro da sala de aula, ela falou que eu podia contar sobre eles a ela, eu fugi do meu orgulho e tentei contar mais não consegui, comecei a chorar e ela falou q era pra eu ir em um psicólogo pq eu ia melhorar muito, eu comecei a pensar sobre minha vida de madrugada, e quis experimentar um psicólogo, eu contei um pouco da minha vida a ele, e ele me encaminhou a uma psiquiatra, contei um pouco a ela tb, e ela me passou remédios pra tomar de manhã e de noite, cara sinceramente foi a melhor escolha da minha vida, pois eu ficava melhor a cada sessão, cada sessão eu esvaziava o barril cheio de problema e estourava a bolha que estava em volta de mim, com 17 anos conheci uma mina depois de um tempo nos começou a namorar, eu ainda contia problemas convivendo na minha cabeça, e aqueles problema começou a afetar a mina, tratava ela mal e meu orgulho não deixava eu pedir desculpa, mais msm assim a mina ficou cmg me deu concelhos e eu jurei pra ela que ia melhorar dali pra frente, tenho 19 anos ainda tou com ela, hj em dia eu ainda tomo os remédios e ainda vou pro psicólogo semanal e psiquiatra a cada mês, sou uma pessoa mudada (claro ainda vem os pensamentos as vezes) mais consegui aceitar as pessoas ao meu redor e ser melhor pra minha namorada, já sei programação e tou querendo fazer um curso pentest kkk, eu resumi bastante mais sofri muito bullying na vida por ser gordo e cheio de espinha na minha adolescência, hj eu faço academia e luto muay thai, é isso :) espero que os que tem conflito consigo msm tentem desabafar com um psicólogo vão ver a mudança.
submitted by KrisiAX to desabafos [link] [comments]


2020.10.20 08:02 BlueElodin Não sei mais flertar!!!

Tenho 20 anos e cheguei num ponto onde não sei mais flertar ( ou talvez nunca soube).
Perdi BV aos 9 anos. Meu primeiro beijo de língua foi aos 13 (com minha primeira/única/ex namorada) e perdi minha virgindade aos 18.
Tipo, acho que vivi tudo no tempo certo (certo para a minha pessoa).
Me considero um cara bem tímido, apesar de que quando estou em uma rodinha no bar ou festa consigo me virar e ter boas conversas (dependendo muitas vezes das pessoas na roda).
Tive minhas fases boas, porém a maioria das vezes que fiquei com meninas que me interessasse ou foi porque elas tomaram a atitude comigo ou foi porque eu tinha plena certeza que teria chance com elas, e isso aconteceu pouquíssimas vezes em ambos os casos. Há também as situações onde eu fico com meninas que não me interessam, mas devido o tempo sem ficar com ninguém acabo aceitando (carência, eu sei kkkkk).
Muitos falam que me subestimo demais em diversos pontos e meio que concordo em partes. Enquanto me considero um cara 6,5/10 há quem diga que sou um 8/10, às vezes 9/10.
Como mencionei antes, perdi a virgindade com 18, porém tive oportunidades nos meus 15 e não fiz nada por falta de confiança e também por eu ter sido muito ligado a religião naquela época (papo de eu escolhi esperar e tals).
Tentei Tinder ultimamente e percebi que a maioria das pessoas usam isso por puro ego, nunca consegui manter uma conversa por muito tempo. Não tenho nenhuma amiga com quem me sinto confortável a conversar sobre pra poder me auxiliar e sinto que falar isso com um amigo homem não vai resolver muito devido a possibilidade de zoação (podemos considerar isso um pouco como masculinidade tóxica??).
Enfim, me sinto inseguro, com baixa autoestima, muitas vezes um ser desinteressante, e apesar de ter diversos assuntos legais pra trocar ideia não consigo conduzir isso a um flerte. Sempre ganho mais uma conhecida no meu insta e fico como "aquele sujeito legal que conheci em tal lugar e nunca mais nos falamos". A pandemia dificultou ainda mais isso e não sei mais o que fazer.
Obs: primeira vez escrevendo aqui no Reddit galerinha, sou novo na rede kkkkkkkk mals ter deixado a situação um pouco confusa. Estou acostumado em escrever no meu journal, onde eu sou o único que entende minhas colocações no texto akakak. É isso, peace out.
submitted by BlueElodin to desabafos [link] [comments]


2020.10.20 00:32 anonima5456 Essa amizade é verdadeira?

Bom, eu tenho um melhor amigo. Teve uma época em que começamos a gostar um do outro, porém superamos esse sentimento pois por motivos fortes achamos que não daria certo. De lá pra cá, continuamos flertando, mas sem compromisso algum. Daí ele me falou que quando um de nós dois entrássemos num namoro, a gente ia parar de se falar, porque a amizade não seria mais a mesma e ficaria um clima estranho. Isso me fez pensar se realmente valeria a pena essa amizade... eu sei que tudo na vida acaba, e super entendo que não seria mais a mesma coisa, mas não entendo muito bem uma amizade que só dura enquanto duas pessoas estiverem solteiras. Também entendo que pode haver ciúmes da futura namorada. Mas ainda assim eu acho meio estranho, tenho amigos que já gostaram de mim, começaram a namorar e ainda assim eu converso de vez em quando, esse meu melhor amigo diz que vai sumir caso ele mesmo comece a namorar e está esperando que eu faça o mesmo caso eu entre num relacionamento. Mas a pergunta é: isso realmente é uma amizade? Vcs continuariam amigos da pessoa ou se afastariam? Confesso que isso me deu um certo choque de realidade que me fez pensar sobre isso. Eu penso em me afastar, mas também penso se não seria falta de consideração, sei lá...
submitted by anonima5456 to desabafos [link] [comments]


2020.10.16 22:23 Creative_Oven_6350 Estou na minha segunda formação e há quase três anos procurando emprego. Não consigo nada. A frustração está acabando comigo há muito tempo.

Bem, antes de começar, essa conta é uma throwaway, já que pessoas próximas podem ver o post.
A questão é a seguinte: logo que saí do Ensino Médio, consegui entrar em uma universidade federal. Na época eu tinha algumas ideias do que queria fazer para a vida e decidi arriscar na que me parecia mais legal. Não me entendam mal, não é que eu me arrependa de minha escolha, honestamente se não fosse por ela eu não acho que seria a pessoa que sou hoje e não conheceria minha namorada (com quem tenho um relacionamento há 5 anos).
Para ser mais específico, eu entrei em Licenciatura e Bacharelado em História, na UFPR. Eu realmente gostei do curso. História sempre foi uma área que me fascinou e durante a formação pendi cada vez mais para a pesquisa. No entanto, claro que na metade da graduação percebi a falta de perspectivas de pesquisas nessa área no Brasil e comecei a pensar em alternativas de onde trabalhar.
Sempre gostei de dar aula, apesar de nunca querer ser professor do Estado. Então entrar em PSS não era uma opção. Antes da minha primeira graduação, durante e até um tempo depois, sempre trabalhei informalmente em negócios da família. Fui assistente administrativo no escritório de contabilidade dos meus pais. Ajudei na pequena gráfica digital que meu tio tinha, tanto no balcão quanto no setor de compras. Esses trabalhos me ensinaram muitas coisas e me deram muitas habilidades diferentes. Sempre sou elogiado por ser comunicativo, tenho habilidades avançadas no pacote Office completo, aprendi a mexer em estoque, arquivo, realizar trabalhos braçais etc.
Só que em certo momento percebi que precisava de um trabalho formal. Algo que estivesse registrado em minha carteira de trabalho. Aqui entra outra coisa que gosto muito: idiomas. Desde cedo sempre estudei outras línguas por conta própria. Sempre foi um hobbie meu. Me tornei fluente em inglês, consigo conversar em francês e japonês e tenho certo conhecimentos de espanhol e LIBRAS. Aproveitando essas minhas habilidades, consegui me tornar professor de inglês.
Mas a ideia de virar professor de inglês nunca me foi permanente. A falta de perspectiva de uma carreira nunca fez com que eu quisesse ser professor. Pesquisador sempre tive vontade. Por outro lado, vejo amigos meus com 30, 35 anos fazendo doutorado, pesquisas maravilhosas, mas precisando arrumar outros empregos para se manter e ganhar mais ou menos mil reais por mês. Não é uma vida que quero ter.
Estou com 23 anos no momento. Quando estava com 20, decidi que iria para outra área que sempre tive muito interesse: a parte comercial. Sempre fui bem com números. Não só enquanto trabalhava no escritório de contabilidade de meu pai, mas também participei e "ganhei" algumas Olímpiadas de Matemática enquanto estava na escola. A área administrativa também era interessante. Então pensei bastante e cheguei a conclusão que se conseguisse algo na área de Relações Internacionais ou Comércio Exterior, teria a carreira que sempre quis.
Isso se deu por volta do início de 2018. Achar estágio na área de História (em museus e coisas do tipo) nunca deu certo, tanto pela falta de vagas quanto pela carga horária diária do meu curso que nunca batia com o que eu achava. Consequentemente, fui procurar estágios e empregos em Relações Internacionais e Comércio Exterior. Assim se deu o meu ano de 2018. Obviamente, sem nenhum resultado.
Eu mandava todo mês meu currículo para inúmeras vagas. Nunca recebi uma única resposta. Tudo bem. Bola pra frente. 2019 chegou e eu me formei na metade do ano. Mais 6 meses sem nenhuma resposta. Nesta época, eu já enviava o currículo semanalmente. Queria alguma oportunidade em RI ou Comex. Eu achei que História era um curso similar o suficiente. Pelo jeito, as empresas não concordavam.
Depois de minha formatura, há quase um ano e meio procurando, decidi investir em concursos públicos. Talvez eu conseguisse uma área no setor comercial ou administrativo do Estado. Não seria um problema se eu pudesse migrar posteriormente. Prestei vários concursos que fiquei três ou quatro vagas abaixo da linha de corte. A frustração era grande, mas eu continuava.
Enquanto isso, precisava me sustentar. Portanto, permaneci dando aulas de inglês. Não posso negar, sou bom nisso. Não muito bom, mas o suficiente para receber elogios esporádicos tanto de alunos quanto colegas. Quem sabe se em algum momento eu me dedicasse à área pedagógica, pudesse crescer e construir uma carreira ali.
Porém, eu sabia que investir na área pedagógica me afastaria completamente de RI e Comex. Então nunca fiz isso ou fui para esse lado. Em certo momento de 2019, passei no edital do IBGE para o Censo 2020. Meu nome foi homologado no Diário Oficial da União. Eu estava dentro. Tinha conseguido algo diferente, além de dar aula. A frustração parecia ter acabado. Só precisava esperar março de 2020 para ser chamado. Minha namorada chorou de felicidade por mim. Eu também estava transbordando por dentro.
Aí aconteceu que... a pandemia. Todos sabem. A verba do Censo 2020 foi cortada completamente nesse ano e transferida para o segundo semestre de 2021, isso se não for postergada mais uma vez. Depois, descobri que o concurso que tinha passado era PSS e mesmo eu estando dentro, não significava que seria chamado. Nisso já era metade do primeiro semestre de 2020 e eu também não havia parado de mandar currículo para RI e Comex. Se eu conseguisse um emprego nessa área, não ficaria no IBGE (pois o cargo era temporário de apenas um ano).
Extremamente frustrado, depois de muitas e muitas (e muitas) crises de raiva, tristeza e angústia, decidi investir em alguma coisa que fosse mudar tudo. Comecei uma segunda graduação. Moro em Curitiba e diante das possibilidades de cursos que poderia fazer nessa área, optei pela que me pareceu melhor: Comércio Exterior.
Minhas aulas começaram em julho desse ano. Desde o mês sete, tenho uma única rotina: todo dia da semana eu acordo, vasculho a internet, sites especializados, grupos de WhatsApp e Telegram, em busca de empregos para a área comercial, administrativa, financeira ou até logística. Existem muitas coisas em cada um desses setores com as quais eu adoraria trabalhar. Todo dia, literalmente todo dia mesmo, eu me inscrevo em média de uma até três vagas - tipo, todo dia.
Desde julho, sou rejeitado em umas 30/40 vagas mensalmente. Entrar em uma segunda graduação de Comércio Exterior realmente ajudou: agora sou chamado para entrevistas e provas. No entanto, sempre que me perguntam se eu faço alguma coisa, se ainda trabalho, digo que tenho o trabalho temporário de instrutor de línguas. Algo que quero largar assim que conseguir outro trabalho na área que quero, ou seja, na área para a qual estou me inscrevendo.
Só que é sempre nessa parte, é sempre nesse momento que vejo claramente que sou colocado de lado. Ninguém quer contratar alguém que precisou trabalhar como professor. Algo pedagógico, muito diferente do mundo comercial. Sempre elogiam minha curiosidade por línguas, acham legal meu contato com setores administrativos e financeiros no passado, mas por terem sido trabalhos informais, ninguém se importa. Sim, estou frustrado.
Dia após dia recebo e-mails falando que não foi dessa vez. Isso quando os recebo. A maior parte das inscrições por e-mail não são respondidas. As que realizo por sites diversos, estão marcadas 90% como "Rejeitado por falta de experiência". Todos estágios. É sério. Tenho mais de 40 vagas de estágio rejeitadas por "falta de experiência". Repito novamente porque estou frustrado: estágios.
Eu não consigo um único estágio. Em nenhuma área. Todo dia sou recusado. Não importa se é RI. Setor de compras. Setor administrativo. Setor financeiro. Setor de logística. Só preciso desse primeiro emprego na área. Aposto que os demais vão vir muito mais facilmente (porque mais difícil não tem como existir).
E receber constantemente, apesar do esforço diário de mandar currículos, atualizar informações em sites (sim, tenho perfil em LinkedIn e mais outros diversos sites de emprego), apenas me lembra do meu fracasso. Não tenho perspectivas nenhuma de que vou conseguir. Nenhuma perspectiva que vou mostrar para alguém quão esforçado posso ser. Quão dedicado. Eu só preciso de uma chance para a primeira oportunidade.
Estou nessa há 3 anos. Acumulo quase 100 rejeições totais desde que comecei minha segunda graduação. Cada vez me empenho mais para tentar. Cada vez tenho menos vontade e fico pior. Menos motivado. Antes que alguém fale alguma coisa (se alguém aguentou ler esse textão de desabafo até aqui), estou sempre verificando meu currículo: como apresentar informações, tirando, colocando coisas. Já contratei profissionais de currículos que analisaram e mudaram algumas coisas. Já apresentei pra muitos profissionais colegas e da família que deram algumas sugestões e elogiaram outras coisas. É algo que estou sempre tentando melhorar, mais e mais.
Pra encerrar, existe um fator nisso tudo que aumenta ainda mais a frustração comigo mesmo, a frustração com todo esse cenário. Minha namorada trabalha na área de tecnologia. Em 2019, decidiu arranjar um estágio. Se inscreveu para três e conseguiu um deles. Agora em 2020 decidiu ir para outro, se inscreveu em uma única vaga e foi aprovada. Não tenho raiva nem dela. O que mais me afeta é a diferença da facilidade de conseguir emprego em uma área comparada à outra. Ela é minha namorada. Amo ela e estou feliz que ao menos um de nós está tendo conquistas dessa área. Mas não consigo deixar de ficar pior, o problema sou eu? Nunca vou conseguir uma vaga simplesmente por causa da minha primeira formação? Porque precisei dar aulas para me sustentar? O problema é algum outro?
Enfim, esse é o meu desabafo. Desculpem pelo tamanho do texto e obrigado se alguém chegou até aqui.
submitted by Creative_Oven_6350 to desabafos [link] [comments]


2020.10.15 06:09 GradeRevolutionary10 Tá tudo relativamente bem e continuo mau

A vida tá relativamente boa. Eu tenho menos de 16 anos e avancei dois anos do curso de inglês, tô falando um nível B2 indo para C1 e comecei a aprender latim pelo duolingo e tô gostando. Eu criei uma página de memes de história que pegou 1 mil followers em um mês mais ou menos.
Mas eu ainda me sinto meio.. angustiado. Eu não sei. eu me sinto assim desde os 12, e isso me afeta completamente. Eu não sinto muita vontade de comer a maior parte das comidas e eu não venho tendo animação pra fazer nem as coisas que eu gosto, e logo agora que eu tô estudando pra o exame do IF e a família tá puxando o meu saco por conta disso. Eu também sou MUITO esquecido e todo dia eu perco algo e sempre deixo luz acessa ou portas abertas, minha família diz que é por quê eu não quero prestar atenção ou porquê não me interesso por mudar, e agora eles brigam relativamente sério comigo por ter deixado uma porta aberta ou luz acessa. Eu não faço isso porquê quero. O argumento deles é que “se consegue aprender inglês sozinho, consegue se lembrar das coisas” — O fato é que eu notei que eu tô cada vez mais esquecido, e eu consigo me lembrar só de alguns dias do ano passado, por exemplo. Eu também tô agora mais angustiado pq to querendo aprender várias coisas que eu gosto (línguas, filosofia, história) ao mesmo tempo e acabo que eu fico indeciso e + aquela falta de animação, acaba que eu não movo uma palha o dia inteiro e tudo que eu quero mais é ficar deitado, e claro, eles me criticam por isso.
Eu tava até melhorando neste ano e até to melhor que ano passado, que foi o ano mais merda da minha vida. Eu tinha acabado de me mudar pra uma cidade nova e minha família começou a ter uns problemas financeiros, e meu padrasto ficou desempregado por 8 meses, e nesse espaço de tempo, ele começou a beber e aparecer embriagado no mínimo umas duas vzes por mês.
Um dia foi o ápice. Ele deixou eu e minha mãe na escola e na faculdade e foi beber, quando ele voltou pra me buscar na escola, um amigo dele tava dirigindo o carro e ele bêbado no assento do passageiro. Mais tarde iríamos saber que ele levou uma multa de 2 mil reais no carro novo que tínhamos comprado e subornou o policial com o dinheiro que íamos pagar a conta de luz para não apreender o carro, foi o que ele disse. Eu vi minha mãe ameaçar ele com uma faca pra ele ir embora, quase chamei a polícia. Fiquei muito assustado, não vou mentir.
Bom, nos mudamos daquela casa depois desse ano. Eles diminuíram as quantidades de brigas (brigavam quase todo dia antes) e meu tio passou pra faculdade desta cidade e veio morar com a gente. No início foi bom. Eles dividiam as contas e meu tio saia comigo comer fora e tal. Mas aí no início da pandemia foi o que deu: minha mãe tava com depressão profunda. Em partes por causa das brigas, em partes pelos problemas financeiros, e a faculdade que consome ela demais, presumo eu.
Bom, foi aí que deu. Meu tio e meu padrasto diziam que eu contribuía pra isso pq eu não ajudava em casa e não “facilitava a vida dela”. Isso me magoou muito. Com a pandemia, tudo ficou pela internet e resolvemos ir passar um tempo com nossos avós no interior. Lá eu melhorei um pouco, e foi relativamente bom. Mas cá estou de novo. Voltei a cidade que moramos e comecei a piorar de novo.
Desde o ano passado, minha mãe e meu padrasto entraram nessa coisa de terminarem o relacionamento e voltarem no outro dia. Ele trazia flores e tudo ficava bem. Aí esse ano, eles brigaram feio e finalmente terminaram, eles ainda se falam porquê ele tá pagando aquela multa e tentando reatar. Eu criei coragem pra pressionar minha mãe a terminar isso logo.
E ainda têm o lance do meu vô, que é a pessoa que mais chega perto de um pai pra mim, me botando pressão pra eu estudar e passar em Medicina. Na real, eu gostaria de ser professor de algo como História ou Filosofia. Mas ele não gosta disso e vive fazendo piadas sobre, e qualquer assunto que falamos juntos eles puxa pra algo relacionado a passar em Medicina ou ser médico.
Eu me sinto como um fardo pra eles, e de fato eu sou. Mas eu não sei como mudar isso e parece que a cada passo que eu vou, eu volto mais dois.
Além de tudo, eu perdi meu gosto por jogos online e por conta disso eu me afastei de meus amigos. A única pessoa que eu realmente falo constantemente é minha namorada, a única pessoa que me dá apoio e consigo conversar abertamente sobre esses problemas. É foda.
Enfim, tem outras merdas que aconteceram, mas isso é o principal. Desculpa pelo texto grande mas eu tive que tirar isso de mim em algum lugar.
submitted by GradeRevolutionary10 to desabafos [link] [comments]


2020.10.14 04:58 limajhonny69 Estou entrando em colapso.

Aos 12 anos de idade, fui estuprado. Repetidamente, durante uns 3 meses. Por conta do trauma, perdi a maior parte das memórias dos 12 anos anteriores a qnd isso aconteceu. As memórias que restaram foram as mais profundas: meu pai espancando minha mãe na minha frente. Diversas vezes. Batendo nela com uma corda, enquanto eu via sem poder fazer nada ela no chão sem poder se defender, enquanto se debatia, ou o sangue escorrendo do braço dela após uma briga, ou ele quebrando todos os objetos de vidro da casa de propósito, ou ele pegando todo o dinheiro que tínhamos pra gastar com bebidas alcoólicas enquanto passava a semana inteira fora de casa.... São tantas coisas... E nunca tínhamos dinheiro sobrando, nunca tive dinheiro pra terapia ou algo do tipo.
Depois que o estupro aconteceu, me isolei de todos, literalmente. Desde o estupro eu ficava no meu quarto, saindo apenas para a escola. Não tinha amigos, não visitava ninguém, não ia para o supermercado. 95% das 24 horas do dia eram dentro do quarto sozinho. Foi quando ocorreu minha primeira tentativa de suicídio.
As coisas mudaram quando entrei pra faculdade, pois comecei a sair mais, passando o dia inteiro fora nas aulas em outra cidade e, após 2 anos, comecei a sair com uns amigos. Porém, no ano passado, todas as memórias do estupro começaram a me afetar muito intensamente. Começou quando eu estava voltando para casa da faculdade, tive um ataque de ansiedade na rua como nunca tinha sofrido antes. Desde então as coisas só pioraram, incluindo outra tentativa de suicídio. Sofro de ansiedade todos os dias. Passo noites acordado, com insônia. Tenho pesadelos muito frequentemente. Há dias que não consigo levantar da cama, depressivo. Tenho um namoro a um ano, e muitas vezes eu e minha namorada não conseguimos fazer sexo. Apesar de sentir atração por ela, não consigo manter uma ereção pelas memórias do estupro. As vezes não consigo nem mostrar meu corpo a ela. Estou indo para o último semestre da faculdade. Não sei se vou conseguir viver até o fim. A pressão está aumentando, e minha ansiedade também. Falta apenas um estágio, e poucas disciplinas, mas eu sinto minha vita toda se esvaindo...
Não sei o que fazer. Não posso contar com ninguém, não sei se vou conseguir, e nem sei se quero. Só quero que tudo acabe, todos os traumas, os ataques, as memórias, essa ânsia de vômito que sinto sempre que lembro de tudo isso...
submitted by limajhonny69 to desabafos [link] [comments]


2020.10.14 02:49 Krahmukoslovisk Porque não sou feliz?? *aviso de texto enorme*

Sempre que começo a estabilizar ou estagnar sempre me surge um sentimento cruel, de que eu estou preso a algo ruim, que ficarei pra trás. Tenho um desejo incontrolado de sair e começar tudo do zero. Porém quando estou em um lugar novo sinto falta do conforto e do carinho, me fazendo querer desistir. Hoje estou fazendo mestrado, trabalhando em uma ótima clinica e mesmo assim sinto um vazio no peito, uma dor e uma angustia, seriam esses os sintomas tardios do termino? Da realização de um “fim”. Pois é, em 2017 voltando do meu intercambio dos estados unidos eu tive um relacionamento rápido coisa de 3 meses, terminei e pra mim foi tudo bem, não havia história e não havia amor verdadeiro. Alguns meses depois me veio a ruiva mais linda que eu já vi (apesar de não ser ruiva natural caia muito bem nela, e nem se podia notar), eu me apaixonei na hora, mas pensei “não sou cara pra namorar, não consigo me conectar’. Eu não podia estar mais enganado. Os primeiros meses foram difíceis, ela havia terminado um relacionamento que não tinha superado, não queria se envolver, muito menos eu, afinal estava na faculdade e queria curtir tudo na mais absoluta esbornia. Porém o cheiro, o carinho e aquele sorriso me quebrou de uma forma tão intensa que eu não quis acreditar, foram períodos de muita felicidade até o momento que tudo virou de cabeça pra baixo, terminamos pois estávamos muito estranhos e eu não entendi muito bem mas não tive objeção, só que algo não estava certo pra mim eu não conseguia esquecer ela.
Fui atrás e descobri da boca dela uma traição, e que ela estava sendo coagida, foi agredida e teve que sair de onde morava por causa do sujeito. Foi o momento 1 da minha mudança, pois sempre fui um cara que abominou traição e quando a pessoa trai uma vez vai trair de novo, só que eu não consegui, não consegui olha pra ela e dizer que não queria olhar pra ela nunca mais, porque eu queria ela do meu lado, então, foi quando eu deixei ela morar comigo, dividir a casa com quem me traiu e quebrou minha confiança, chorava toda noite, porém não conseguia mandar ela embora não estava certo pra mim, e que apesar do que ela fez pra mim, o que fizeram com ela foi pior, voltaram as amigas dela contra ela, as próprias meninas de republica não ajudaram ela nem mesmo na parte da agressão. Eu resolvi dar mais uma chance pra ela e ó Deus daria mais umas 20, porque depois disso não tive o que reclamar, sempre atenciosa, se preocupava comigo, fez questão de conquistar minha confiança pouco a pouco até eu pensar em casar com ela, porém veio o ponto da virada numero 2.
Final da minha faculdade estava passando por problemas com os professores, a ponto de quase ter que ir no ministério publico para resolver um conflito, meu TCC estava um caco e eu estava a um pingo de ser reprovado no meu ultimo semestre, e isso é claro refletiu no relacionamento, brigávamos sempre pois estava apático a tudo, só conseguia comer e jogar, ela (com toda razão) se sentia abandonada, e eu não sabia se queria continuar namorando pois tudo na minha vida estava triste. Terminamos novamente, me consultei com um psiquiatra que me passou medicações e tirei um tempo para ficar em casa, tive crises de pânico, mas quando as medicações começaram a fazer efeito eu consegui fazer tudo, e ela, mesmo depois de ter terminado continuou ao meu lado, me ajudando e segurando minha onda diversas vezes, e no final eu percebi que estava em um momento horrível e pedi para voltar, voltamos. Então se inicia 2019 (teve um salto grande eu sei) quando sai da cidade onde fazíamos faculdade e fui para vila velha e ela ficou lá, novamente as coisas começaram a ficar estranhas, ela é a definição de paixão pra mim, intensa, sem medo, faz o que o coração manda e passar por cima de tudo para fazer o que acha certo, e eu não, sou acomodado e fico sempre a mercê do que os outros fazem ou deixam eu fazer, sou passivo nas atitudes. A distancia era grande, eu tinha uma rotina pesada e não tinha tempo de conversar por mensagem, estava muito dedicado ao meu estagio e ela precisava de mim, precisava conversar e precisava do namorado dela ali do lado dela, então brigávamos constantemente, então novamente outro termino. Só que dessa vez fui tão cego que não vi o que ela estava passando, os problemas que tive de final de faculdade ela também teve, e eu egoísta que sou, não soube ver isso, e quando me toquei do que havia feito, tentei de alguma forma ajudar, mas ela não me atendia, e quando a gente se falava ela só sabia chorar, e eu tapado que sou não sabia o que fazer e como agir.
Então começa o ponto de virada 3, terminei o meu estagio, voltei pra casa e arrumei um emprego em um consultório veterinário perto de casa(interior do ES divisa com o RJ), e ela voltou pra cidade dela Pedro canário (norte do ES, divisa com a Bahia) estávamos terminados porem anos antes compramos um congresso de veterinária juntos e ela disse que mesmo que terminássemos ela ia disponibilizar a casa (o pai dela mora em Curitiba) dela para eu ficar. Foi chegando a data de ir e eu não sabia se aquilo estava valendo ou não, então quando menos esperava, depois de semanas sem se falar ela pergunta quando que vou, eu que nem tinha preparado nada, entrei em choque e comecei a ver data de voo, e na minha cabeça pensava “vou conquistar essa mulher de novo”, e como já dizia Rubel “se for preciso eu pego um barco e eu remo por 6 como peixe pra te ver”, ela ama Rubel. E fui, eu nunca tinha sido recebido tão friamente, era simplesmente era apática a tudo que era relacionado a mim, eu pensei “não vai dar” e já fui baixando a expectativa mas não desisti, e então em um belo dia a noite em casa, a gente ficou entre choros de saudade e tristeza, amor e ódio. Mais uma vez resolvemos tentar, sempre claro corrigir os erros do passado, para não se repetir. Ela fez comigo um teste de perseverança pois estava devastada com o que fiz com ela (deixar ela sozinha no fim da faculdade segurando uma barra desgraçada) Eu arrumei um estagio para ela numa indústria de laticínios na minha cidade e ela foi pra lá. Eu percebia que ela era muito grossa e sempre discutia por coisas bestas, eu sabia que era pra me testar, segui firme. Próximo do estagio acabar, meus pais (que aliás achavam que estávamos separados, na verdade só fingiam) perguntavam quando ela ia embora, e eu não sabia como tocar nesse assunto porque eu também não queria que ela fosse, queria ficar com ela, mas então em janeiro de 2020 ela foi embora, para Curitiba na casa do pai dela. E pra minha sorte o que houve em 2020? Pandemia, comércios fechados, aeroportos fechados, caos no mundo, e a única forma da gente estar junto e por whatsapp, e quem é o insensível que não consegue ser atencioso a distância? Eu mesmo e assim levamos por alguns meses, planejando nos ver em pleno a pandemia, mas eu não tinha dinheiro, recebia muito mal (menos que um salário mínimo) e pra ir ver ela teria que pegar dinheiro com meus pais, que com certeza não me emprestariam, então era sempre uma decepção porque ela sempre vinha com promoções de voos e formas da gente se ver, e eu sempre realista quanto a nossa situação, foi então que em junho desse ano ela me ligou terminando tudo.
Aceitei, foi uma conversa ate que longa, ficou muito claro nossos motivos, mas o principal foi a distância (eu não consigo ser eu mesmo por mensagem, não sei o que acontece, no dia eu só vou fazendo as coisas e depois que me toco de ver celular mas as vezes já e tarde). No mesmo mês fiz minha inscrição no mestrado em Vila Velha aonde havia estagiado meses antes, acabei passando, não recebo bolsa, e estou tendo que trabalhar para pagar o mestrado e as contas (quase 2500 reais no mês) até ter uma bolsa, se houver ela. Mês de setembro fiz plantão todos os finais de semana e terças-feiras, de segunda a sexta estava na rotina do Hospital para aprender a fazer coisas novas em anestesia e a noite aula. Foi um mês desgraçado, mas foi um mês que não senti falta dela, ai nesse ultimo feriado, alguns amigos me chamaram para ir para a praia em Guarapari (cidade próxima) pra gente da uma curtida, então eu fui, e realmente me diverti muito, e no domingo eu acabei ficando com a amiga da namorada de um amigo meu (complicado mas acho que deu pra entender) e nesse momento, meus amigos, só me vinha uma coisa na cabeça, a Ruiva. Eu só dei uns beijos nela e nada demais aconteceu mas no outro dia eu fui embora, porque não estava me sentindo bem com a situação, cheguei em casa triste, com uma dor no peito enorme, e acabei mandando mensagem para ela, conversamos de boa, falamos como estavam as coisas e então vem o momento da virada 4, a Ruiva, conversando com umas pessoas arrumou um emprego numa cidade pequena aqui no espirito santo, e essa cidade meus amigos, é 70 km de onde eu moro, e agora eu não consigo trabalhar, comer, estudar e nem fazer nada, só penso em ir lá e chegar dizendo que vim remando por 6 meses e só pude chegar agora. Porém meu medo é eu ser a pessoa que nunca está feliz, que quando está bom quer mudar e quando muda sente falta do conforto. Inegavelmente eu a amo, e ela me ama também (foi dito isso na conversa) mas tanto ela quanto eu sabemos que amor nunca segurou e nunca vai segurar relacionamento, fico me perguntando, com a possibilidade de ir vê-la a cada 15 dias e trabalhando pra me sustentar, podendo fazer planos de vida, se daria certo. Antes vivíamos em momentos diferentes, mas agora estamos vivendo no mesmo momento, trabalhando e sendo adultos que moram fora de casa. Meu coração e meu corpo doem de medo de ignorar o que todas as fibras dizem que é ir ver ela esse final de semana, mas ao mesmo tempo morro de medo de estar sendo o maior egoísta desse mundo e me deixar levar por esse sentimento e acabar descobrindo que não consigo mudar e que não da mesmo para estarmos juntos. Nunca fui muito religioso, mas já rezei para Deus para ter sucesso, para ter dinheiro pra pagar minhas contas, agora peço que ignore tudo e me uma luz para onde seguir.
submitted by Krahmukoslovisk to desabafos [link] [comments]


2020.10.12 03:39 xulip4 Eu não consigo mais amar eu acho

Todas as pessoas que eu já confiei me decepcionaram. Meu ex melhor amigo me fez ser torturado, humilhado e preso quando o padrasto policial dele encontrou maconha na casa dele. Esses processos me prendem a uma cidade que a cada dia se torna mais inabitável devido ao descaso com o meio ambiente. Minha ex namorada, que sofre de transtorno de personalidade, me chamou pra sair recentemente, fomos num motel e depois comemos alguma coisa. Minha mãe descobriu e se zangou comigo, já que essa ex já tinha abusado muito de mim e minha mãe culpa ela por eu ter tentado me matar algum tempo atrás. A família se envolveu numa grande discussão e eu vi minha mãe chorar muito. Decidi parar de falar com a minha ex e a bloqueei em todas as redes sociais. No dia seguinte ela aparece no portão da minha casa, chama a polícia e me acusa de ter estuprado ela. Sou levado pra delegacia, onde sofro crises fortíssimas de ansiedade e passo horas numa cela antes de ser interrogado. Só pra não ser levado pra prisão, tive que desembolsar 1500 reais de despesas advocacionais, além dos 6000 que ainda estou pagando da acusação de trafico do padrasto do meu ex melhor amigo. Estou sem amigos pq meu melhor amigo dividiamos o mesmo circulo de amizades, e quando eu estava preso, ele pôde convencer a todos de ficarem do lado dele. Eu no momento tomo 3 remedios diferentes pro meu tratamento psiquiatrico, um deles sendo tarja preta. Qualquer barulho me assusta, eu tenho medo de sair na rua. Eu nao gosto de ficar perto das pessoas. Mas acho que a coisa que me faz realmente me odiar e querer dar um fim na minha vida é o fato de, depois de TUDO que minha ex me causou, eu ainda sinto falta dela.
submitted by xulip4 to desabafos [link] [comments]


2020.10.11 21:06 ces4rrr como é ter amigos depois da escola?

Depois que a escola acabou não tem mais aquela sensação legal de ir num lugar com pessoas que a gente gosta de ver, eu sei que não é assim pra todo mundo, a escola já foi horrível com bullying e essas coisas. Mas lá tinha uma coisa que não consegui encontrar de novo, pessoas que eu conseguia conversar, mesmo que nunca falássemos de coisa séria ali eu me sentia melhor, naquele pequeno grupinho de 4 pessoas. Acontece o resto do mundo parece tão complicado, as pessoas são tão difíceis de falar, de ter qualquer coisinha em comum,AHHHHHH É TÃO DIFÍCIL falar com pessoas, eu só queria ter aquela sensação de pertencer a algo que eu gosto. Já faz um tempo e a solidão bate forte as vezes. Eu tive uma namorada, a primeira pessoa depois da escola que eu não sei como mas viu algo de bom em mim, por um tempinho ela foi a amiga que eu tive, quem eu tinha pra rir e sei lá. Eu sinto muita falta de ter alguém por perto, mas eu não tenho coragem de chegar pra alguém e tentar puxar um assunto, sentar do lado e ficar conversando, isso meio que acabou na minha vida. Sabe, eu tenho uma amiga virtual e eu realmente gosto muito da companhia dele, mas sempre parece que falta algo que a internet nunca vai poder me dar, por mais que eu queira aprender a gostar mais da minha companhia, eu não quero ser sozinho.
desculpa a pontuação provavelmente errada
submitted by ces4rrr to desabafos [link] [comments]


2020.10.11 04:49 BUDABICHO Estou ficando obcecado pela solidão

Tenho 30 anos e há 4 anos estou sistematicamente cultivando uma vida mais solitária. Comecei me afastando dos meus amigos, depois troquei namoro por sexo casual e lentamente me afastei dos meus pais, irmãos e parentes. Me mudei para um bairro onde não conheço ninguém, e tudo isso me faz muito bem. Estou me preparando para me mudar para outro estado nos próximos meses (se o mundo não acabar) , e só pretendo levar grana, uma mochila e meu gato. Meu passado foi bem diferente, mas a essa altura da minha vida sinto uma necessidade constante de estar só, abandonado e longe de outras pessoas. Pretendo fazer terapia por mais 3 meses para me preparar para mudar de estado, e espero não acumular nada, não ter conforto, não ter uma linda casa, nem uma namorada, nem amigos. Vivo com esse pensamento "fique completamente sozinho" há 4 anos, mas a cada dia que passa me torno mais radical, nos últimos dias tive um rompimento com minha avó e minha mãe, e apesar de agora eu só ter 1 única pessoa que considero 'família', nunca me senti tão livre, e me sentir livre é melhor que me sentir amado.
Só tenho medo de ficar doido, pois sei que a falta de contato social cause sérios problemas na cabeça. Isolamento? Lockdown? Covid? Deus me perdoe, mas espero que durem pra sempre. Antes da pandemia eu estava perdido, desesperado e me sentindo um fracassado. Faz meses que estamos presos e fazia anos que não me sentia tão bem. Espero que em breve eu consiga ir para o meio do nada ficar sozinho, não quero nenhum ser humano em 50km de distância. Isso pode parecer absurdo, mas não consigo ver outro futuro para mim que não seja uma vida cada vez mais só. Às vezes eu acho que vou morrer, e alguns problemas muitos sérios seriam resolvidos se eu tivesse ao menos um conhecido por perto. Tenho problemas muito sérios na minha rotina que seriam resolvidos se eu tivesse ao menos um conhecido por perto. Meu gato já ficou com fome porque eu não tinha 3 reais para completar uma passagem para ir buscar um saco de ração, coisas como essa me deixam puto, mas o que a solidão me trás de positivo é incomparável. Sabe aquele sentimento de excitação que a gente tem quando está passeando sozinho por uma cidade desconhecida? Uma espécie de 'safadeza', de malandragem, um sentimento de 'agora eu posso ser a pessoa bacana que eu sempre quis ser"? Tenho esse sentimento todos os dias, e ele vem da total falta de expectativas sobre mim. Ninguém espera nada de mim e por isso não preciso repetir todos os dias a mesma postura. Esse sentimento de frescor dura 4 anos e espero que dure para sempre.
Espero que minha reclusão não me mate antes de arrumar uma namorada. Para matar a minha 'fome' geralmente recorro ao sexo casual(gay), homens gays são muito práticos. Mas tenho um desejo enorme de ter uma relação mais profunda com uma mulher, pois quando tive essa oportunidade eu joguei fora, e agora há pouca ou nenhuma possibilidade de me aproximar de uma mulher. Ainda não conheci esse sentimento gostoso de ter uma mulher do meu lado (homens já tive vários), e com 30 anos sou um homem inexperiente com mulheres. Já tive a chance de amar um homem, e sou grato por isso.
Sinto que em breve vou alcançar a paz que busco, ela parece estar bem ali, virando a esquina. Se algum dia você estiver de férias no meio do mato e aparecer um doidão faminto correndo pelado e falando sozinho, provavelmente serei eu. Sou bonzinho e não machuco ninguém, por favor me cumprimente. Não sofram por estarem sós, sofram por estarem rodeados de pessoas.
submitted by BUDABICHO to desabafos [link] [comments]


2020.10.09 08:09 JonyfromPT Quero desistir da universidade mas não tenho coragem.

Toda a minha vida fui um aluno mediano, nunca tive excelentes notas nem nunca fui o pior aluno e sempre me habituei no liceu a fazer as disciplinas sem grande esforço sem grande estudo. Claro que para exemes nacionais uma pessoa estuda sempre mais um bocadinho para aumentar o leque de opções para a candidatura à universidade mas mesmo isso não foi nada de outro mundo, sempre fiz com facilidade. Lembro-me de após saber a nota dos exames estar super entusiasmado para ir para a universidade, eu estava mortinho por ir para uma cidade nova, fazer amigos novos e ter novas experiências não interessando o curso nem o destino final para mim mas sim a viagem. Nunca tive problema com dinheiro porque por sorte os meus pais mesmo não sendo ricos conseguiam suportar a minha ida e estadia na universidade e para alem disso sempre me ajudaram e apoiaram no que foi preciso. Os primeiros 3 anos de universidade foi simplesmente javardice, faltava demasiado às aulas, quase nunca estudava, saia à noite frequentemente, jogava computador a noite toda.... Basicamente fazia tudo menos aquilo que me competia, ou seja, estudar. Resumidamente fiz pouquíssimas cadeiras e no final do terceiro ano acabei por prescrever. Contei aos meus pais e à minha namorada que conheci na universidade e ambos 'facilitaram' o meu mau comportamento e deram me outra chance para voltar aos estudos. No entanto, no meu quarto ano estando prescrito e pagando cadeiras por extensão (que fica muito mais caro do que pagar propinas) mesmo assim não me apliquei o suficiente e acabei por não fazer tantas cadeiras como queria sabendo perfeitamente que fora por causa da falta de método de estudo. Já aí começava a ver a minha licenciatura cada vez mais longe de ser concluída. O meu quinto ano foi muito duro, a minha namorada que tanto me apoia e me faz falta acabou a licenciatura e o mestrado e voltou para a terra dela para começar a trabalhar e todos os meus colegas de curso já tinham saído da cidade ou porque tinham terminado ou porque tinham arranjado trabalho também. Eu nesse ano decidi por travão na minha vida e começar a estudar a sério, a ir às aulas todas, tirar e pedir apontamentos e tentar me esforçar ao máximo para acabar o curso e voltar para a beira da minha namorada para começar a fazer vida que é tudo o que quero. No entanto, no final desse meu quinto ano, apesar de ter sido o ano em que mais me esforcei e que melhores resultados tive, vejo que ainda tenho pouco menos de metade por um curso na frente. Mais 13 cadeiras para concluir, é horrível, decepcionante, desmotivante.. Estou agora no meu sexto ano, vou fazer neste fim de semana 24 anos e sao precisamente 6:42 da manhã e eu não consigo dormir com isto na minha cabeça. O meu desejo era desistir da universidade neste momento, porque eu sei que aqui, longe de todas as pessoas que amo e a fazer aquilo que não gosto eu não estou feliz, queria arranjar um trabalho ou mais do que um seja ele o que for para ter experiência de trabalho e começar a ganhar dinheiro para poder começar a fazer vida com a minha namorada mas o medo de ser a desilusão dos meus pais é maior do que eu para não falar de que também tenho medo que a minha namorada ache que não seja 'homem suficiente' por não ter curso superior.. Se calhar por pensar desta maneira é que posso mesmo não vir a ser homem suficiente.. Não sei como vou resolver a minha vida, para já acho que me vou ter de sacrificar e continuar a tentar acabar um curso que odeio cada vez mais mesmo que me magoe a sanidade mental, no mínimo faria juz à quantidade de dinheiro que os meus pais já gastaram comigo e não é a primeira vez que tenho este pensamento, mas pelo menos é a primeira vez que escrevo o que sinto.. Peço desculpa pelo texto enorme, nem eu sabia que iria escrever tanto e com uma lágrima no canto. Vou tentar dormir e resolver a minha cabeça. Obrigado pelo desabafo.
submitted by JonyfromPT to desabafos [link] [comments]


2020.10.07 01:34 Enscie Estou cansado! Tirar a vida parece uma boa!

Até novembro do ano passado eu tinha um estagio que eu me sentia em casa, tinha uma namorada legal, e tinha que só me esforçar mais na faculdade! Apesar de ter ejaculação precoce minha ex, me ajudava nisso e me incentivava a crescer, eu que ficava triste e falando de desistir... O sexo se tornou um peso por eu sempre estar insatisfeito, ela passou que eu não gostava mais, mas sabe eu estava me acostumando a ter esse problema e com isso ele foi melhorando... Mas a falta de ser capaz de opinar pelo medo de perder ela, a falta de dinheiro e eu querendo ir morar com ela, na verdade queria pedir ela em casamento! E tal... Depois mas não tin ha dinhenheior pro anel! Troquei de emprego pra algo que me sugava 10horas ppor dia por 1300 conto, não suportei um mes! Saiu, sofri por ter largado o estagio e tal, foda fiquei sem trabalho do fim de dezembro até 9 de março! MAs entrei em um outro e sai pela pandemia, demetido!
No dia 26 de fevereiro desse ano ela me deixo, no dia 27 meu gato morreu, nodia 25/03/2020 fui demetido por causa da pan, elouqueci e minha familia não fez nada! Foi meu primeiro namoro!
Eu comecei a ir na igreja, ouvir culto, orar e buscar 24 horas por dia, pedindo pela restauração do meu namoro, eu orava ate de madrugada, mãe nem pai nem ninguém me parou de buscar! Ouvi coisas que não devia na igreja! Que afetou meu psicológico ansioso, louco pra querer minha ex de volta! Sofri horrores cada culto eu achava que teria minha resposta! Não estou falando contra, eu sei que estava doente emocionalmente!
Hoje em dia só me da tristeza do tempo que perdi e ninguém me aconselhou, me sinto despreparado pra vida por ter sido criado prezo e ainda assim não ter liberdade de sair ou chegar a hora que eu bem entendo em casa sem precisar dizer nada a ninguém. Tenho 24 anos, ainda sinto falta da ex depois de 7 meses, ela deve ter me largado por essa falta de protagonismo na vida e pra completar tem dias que eu acordo normal, querendo fazer as coisas e tem dias que eu acordo sem motivo pra fazer nada e esses tem sido cada vez mais recorrentes! Eu queria tomar um remedia pra me animar, já tomei paroxetina, queria de volta mas tenho medo dos danos no futuro de antidepressivo! Eu sou muito inconstante, dias to normal e outro como um fundo do poço! E tenho tido vários planos e pensamentos de morte ou de sumir! Tá complicado! Eu fui semana passa no psicólogo, essa semana tem de novo eu tenho medo de falar essas coisa pra ela e ela surtar e largar eu, ou dizer que eu não devo tomar remédio, mas eu quero pois já tomei e sei que ajuda a ter essa estabilidade, mesmo que não e algo que te faz 100 bem, mas não quero danos no futuro!
Pra completar eu tive um sonho do dia 17/09/2020 sobre eu aceitar uma vaga de emprego e sofrer uma doença por estress! Falei com mãe que ia recusar, ela disse "Conheço gente que vive de sonho e hoje passa fome, pois não enfrentou a realidade achando que ia acontecer", ou vi ela e aceitei o emprego! no dia 21 eu fui trabalhar! Resultado, não parava de pensar que ia morrer ou ter a doença lá, nove dias depois pedi pra sair no dia 30/09/2020. Me sinto um lixo! Sem trabalho, quero largar a facudade pq nao tenho motivação pra estudar e tal! E hoje acordei cheio de raivai e rancor e coisas me deixando angustiando e ontem estava bem e meu plano era estudar hoje, e hoje não consigo! Por isso queria um remedio que me estabilizasse saca! E hoje até pensei em morrer então vim pra ca antes de apagar meu whatsappp!

QUeria morar só por causa das loucurar que já ouvi do meu pai sobre essa casa, que alguém vai entrar e nos matar, que estão vigiando a gente pq a casa ta na justiça e o fim da ppicada! E muita treta essa vida!
submitted by Enscie to desabafos [link] [comments]


2020.10.05 19:45 Raisin-Mediocre Falta de desejo da namorada

Uma das coisas que me incomoda muito é que é raro minha namorada me procurar pra sexo porque sempre sou eu que começo, a gente tá morando junto desde que a pandemia começou achei que isso iria melhorar, tem vezes que ela está indisposta e a transa é uma merda. Estou tentando as vezes eu deixo de procurar pra deixar ela insegura. Enfim faço de tudo pra dar prazer à ela (preliminares, oral, etc), confesso que gozo rápido, mas se isso continuar vou terminar, é muito deprimente não se sentir desejado. Ela não consegue ter orgasmo, ainda toma anticoncepcional sei que isso corta um pouco a libido!
submitted by Raisin-Mediocre to sexualidade [link] [comments]


2020.10.05 19:13 DolbenDragon Prestes a fazer uma loucura. FALOW BRAZIL! PARTIU NETHERLANDS!

Como o titulo diz eu estou prestes a fazer uma loucura como escuto muitos fazendo por ai. A situação no Brasil já partiu de merda pra foça a muito tempo. Trabalho como instrutor de inglês fluente por aqui e devido a falta de oportunidades faço menos que um salario minimo. Já cheguei a viajar pra Netherlands para visitar a namorada, só não fiquei por la porque ela me implorou pra não fazer essa loucura já que ela mora com a família e os gringos não metem a cara com fé e a coragem que nem a gente.
O Plano? Ir pra la e pensar em um plano, qualquer coisa e melhor que aqui. Nem que seja lavar prato e viver em abrigo de morador de rua pelos primeiros meses já vale mais a pena que a situação que me encontro em um vácuo de oportunidades e baixa renda sem fim.
Por isso veio ate vossas senhorias, sei que muita gente já meteu o pé na loucura. Alguma recomendação e dicas? Oque procurar oque evitar, nem que seja lugares pra tomar uma ducha e descolar um rango porque sempre tem a chance das coisas demorarem pra dar certo. Acredito que sendo fluente em inglês e português sendo comunicativo com facilidade tecnológica não devo ficar desempregado por muito tempo, mas se eu conhecer alguma republica de Brasileiros por la já ajuda bastante. Brasileiro e que nem barata a gente ta em todo lugar e comigo trabalhando posso contribuir com as despesas da casa e ate alugar um quarto.
Desde já agradeço qualquer pessoa que possa me dar uma luz no fim do abismo antes de me jogar.
Ps: Tem umas fotos de quando ela me visitou, estamos juntos a 3 anos e a ideia era juntar dinheiro pra ficar junto. Infelizmente com ela terminando faculdade e o Brasil do jeito que ta com 6 reais o Euro não vai rolar.
submitted by DolbenDragon to brasil [link] [comments]